quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Servidores buscam auxílio transporte e acompanham relato preocupante do Prefeito

Servidores reunidos no gabinete do Prefeito. Foto: Júnior Ponciano.
Os servidores municipais que trabalham distante a mais de 2km de onde reside conseguiram, por meio de projeto de lei aprovada na Câmara, o auxílio transporte para ajudar nas despesas com locomoção dos mesmos de sua residência ao local do trabalho.


A lei nº. 669 do auxílio transporte foi sancionada em 29 de agosto de 2017 e desde então os servidores passaram a cobrar o pagamento do mesmo. Ocorreu uma promessa do mesmo ser realizado na folha de pagamento do mês de outubro. Como não fora cumprida, os servidores buscaram explicações junto ao Departamento de Recursos Humanos. Segundo informações, o servidor responsável pela inclusão não recebera autorização para efetuá-lo.

 Tendo em vista os desencontros das informações, pois alguns gestores afirmaram que havia liberado o pagamento, enquanto o chefe do departamento não recebera autorização, os servidores buscaram reunir-se com o Prefeito Dariomar Soares – PT.

O Gestor se prontificou, de imediato, a pagar o auxílio nessa folha do mês de novembro. Relatou o momento financeiro difícil em que atravessa o executivo. Citou que nesse mês de novembro iniciará cortes importantes como o wi-fi, demissão de servidores temporários, corte em gratificações e comissões.

Durante a reunião o gestor falou acerca da possibilidade de retornar com os servidores que têm direito ao auxílio para trabalharem na localidade de sua residência, na busca de diminuir as despesas.

A respeito do 13º o prefeito garantiu que pagará a primeira parcela até o dia 30 de novembro. E que já gastou mais de R$ 417.000,00 dos recursos oriundos do precatório com folha de pagamento.

Outro ponto polêmico tratado pelo Prefeito é sobre a redução da jornada de trabalho dos servidores que conseguiram a ampliação por meio de ação do Ministério Público. De acordo com as informações, o Prefeito afirmou que os servidores concursados para 20h semanais e estão trabalhando e recebendo por 40h semanais, correm um risco de retornarem a trabalhar e receber por 20h.

Pelas informações coletadas dessa reunião, a situação é preocupante e corremos sério risco de termos um grande retrocesso.

Acho muito difícil isso tudo acontecer, principalmente cortes em gratificações e comissões de servidores. Como ainda, a redução da carga horário de 40h para 20h, tendo em vista que essa conquista foi conseguida via justiça, onde ficou determinado que nenhum servidor ganhará menos que um salário mínimo. Pela legislação vigente é proibido a redução de salário.