quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Já é momento de elogiar e cobrarmos melhorias

Plenário da Câmara. Foto: João Alves
Nesta quarta-feira, 02/08, às 18h, a Câmara de Municipal de Altaneira deu início aos trabalhos do segundo semestres do ano em curso após o recesso parlamentar.


Como havíamos relatado na última sessão ordinária do primeiro semestre, aguardamos os seis primeiros meses para que nossos gestores reorganizassem a máquina, impusessem seu ritmo de administrar e demonstrassem suas intenções em realizar aquilo que haviam prometidos em campanha.

Pois bem, passado esse prazo, é chegado a hora de fazermos um balanço e começarmos a realizar as devidas cobranças e correções de algumas ações que julgamos fundamentais para a vida administrativa de nosso município.

Inicialmente, relatamos que por volta do mês de maio recebemos a visita do prefeito na Câmara e aproveitamos para cobrar ao mesmo uma alternativa para suprirmos os prejuízos dos servidores municipais que foram transferidos da sede para zona rural do município. O mesmo garantiu que no mês de julho/2017 faria mudanças no sentido de resolver essa questão, chegou a prometer que ofertaria transporte gratuito para alguns e ajuda de custos para outros. Até a presente data nenhuma medida fora efetivada nesse sentido. Procuramos a Administração e fomos informados que ao retornar de viagem o prefeito deve definir essa situação.

Outra questão que merece nossa atenção e crítica é a situação em que se encontra a nossa banda de música Padre David Moreira. Recebemos cobranças de várias pessoas que, assim como nós, tem sentido a ausência da mesma nos eventos locais. Na abertura do campeonato municipal de futsal, aplaudimos a apresentação de outras bandas de municípios vizinhos enquanto a nossa se resumiu em alguns componentes nas arquibancadas com a farda. Segundo informações, os instrumentos foram enviados no mês de dezembro a capital para consertos e até o momento não foram entregues aos componentes. Uns falam que o conserto já foi feito, estão sem poder pagar pois ultrapassou o valor permitido e que precisaria fazer uma licitação. Outros afirmam que ainda será feito uma licitação para que o conserto seja efetivado. Independente dos motivos, queremos cobrar celeridade nesse processo. Não podemos aceitar que essa grande conquista seja colocada no esquecimento.

Por fim, nos dirigimos ao Prefeito na cobrança do direcionamento dos recursos oriundos em decorrência de ação ajuizada contra a União, objeto de precatório, em virtude de insuficiência dos depósitos do FUNDEF, atual FUNDEB, referentes a exercícios anteriores, para a manutenção e desenvolvimento do ensino básico, em conformidade com o disposto nas leis federais nº. 9394/1996 e 11.494/2007.

Como ainda, do valor total desse precatório o percentual de 60% seja destinado ao pagamento da remuneração dos profissionais do magistério, proporcional ao tempo de serviço, tendo como base o ano de 1999.

Acreditamos que algumas ações, tais como: o transporte universitário gratuito, o festival junino, o campeonato de futsal, dentre outras, são merecedoras do nosso reconhecimento e elogios. No entanto, as necessidades elencadas acima são fundamentais para que aconteça uma melhoria na qualidade de vida de nossa gente.


Iremos buscar junto a administração as explicações e quais as reais possibilidades de solução para essas questões.